Irmã Dulce

Anjo Bom da Bahia Um dia, ao pedir ajuda a um empresário, este cuspiu em sua mão. Irmã Dulce não se abateu. Limpou a mão e disse: – “Isto foi para mim. Agora quero a ajuda para meus pobres!”. Vestiu a camisa dos excluídos. Ajudava-os material e espiritualmente.